Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



22
Jul17

Capítulo 9

por Pedro Rodrigues

Luís chegou a casa, pousou os cadernos em cima da mesa do seu "escritório" e foi à cozinha cumprimentar a mãe.

- Olá mãe! Boa tarde!

- Boa tarde filho! Que tal as aulas?

- Mais um dia igual a tantos outros...

- Olha, chegou uma carta da terra...

- De quem?

- Da Fernanda. Está ali em cima do frigorífico.

- Está bom... depois de tomar banho leio-a. Mãe, antes que me esqueça, amanhã vem uma colega minha almoçar e passar a tarde aqui em casa.

- Muito bem, filho! É alguém que te está a fazer esquecer a Teresa?

- Talvez, mãe, talvez...

 

A seguir a um retemperador banho, Luís foi à cozinha fazer uma sandes com queijo, pegou na carta e sentou-se à mesa a lê-la enquanto comia...

 

Querido amigo!

Espero que esta carta te vá encontrar de boa saúde, na companhia daqueles que mais amas.

Por aqui os dias nem parecem os mesmos desde a tua partida. Todos, sem excepção, temos sentido a tua falta. E quando digo todos, também estou a falar da Teresa. Embora tu não acredites, tem andado a chorar pelos cantos, completamente arrependida por te ter deixado.

Sinceramente, espero que venhas cá num dos próximos fins-de-semana. Este mês já deverá ser difícil, mas para Outubro todos nós esperamos que apareças por aqui. Sem mais nada para te dizer, um grande abraço desta amiga que jamais te esquecerá.

Beijinhos, Fernanda

 

Luís não queria acreditar no que acabava de ler. Seria verdade o que a Fernanda lhe dizia na carta? A Teresa estaria mesmo arrependida da opção que tomou? Luís estava mais baralhado do que nunca. Não tinha motivos para duvidar das palavras de Fernanda, mas seria possível uma mudança tão radical no comportamento de Teresa? Luís encolheu os ombros, engoliu o último bocado de pão e foi até ao quarto, levando a carta consigo. Apetecia fazer-lhe as malas, ir até à Casal Ribeiro e apanhar o autocarro para Ovar. Ao invés de se deitar na cama, abriu a porta do quarto e foi à cozinha ter com a mãe.

- Mãe... precisava de ir à terra este fim-de-semana.

- Fazer?!

- Preciso, com a máxima urgência, ver a Teresa. Posso?

- Tens dinheiro para as passagens? Se tiveres podes...

- Óptimo!

- Mas... porquê tanta urgência em vê-la? Ela não tinha acabado contigo?

- Tinha, mas parece que se arrependeu...

- Se fosse a ti não ia já neste fim-de-semana lá acima. Ela precisa de ser castigada, filho! Fá-la sofrer...

- Não, mãe! Eu amo a Teresa e não aguento vê-la sofrer por minha causa. Eu sei que ela foi a causadora disto tudo, mas se eu não for já esta semana lá acima posso arriscar-me a perdê-la para sempre.

- Tu é que sabes, filho. Se é esse o teu desejo...

 

CONTINUA...

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2017
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ